Exposição surrealista em Bilbao – Espanha

13 06 2008

 

casal

Nosso correspondente na Europa, Rodrigo Camilo, após anos de sua partida enviou seu primeiro material! Camilo, como é conhecido, é um guri de Ipaussu, ou seja, da minha terrinha. Diferentemente de mim, ele estudava e levava a sério o que aprendia na Etel. Resultado? Passou no vestibular da USP e algum tempo depois foi parar na França.

Mas vamos ao que interessa, a foto trata-se de um verdadeiro Dalí exposto em Bilbao, na Espanha durante uma fantástica mostra surrealista. A obra intitula-se Um casal com a cabeça cheia de nuvens e representa o artista e sua endeusada companheira Gala. A composição separada dos quadros (onde a paisagem parece ser a mesma) define a idéia de que os casais apesar de cada um ser um, estão sempre em sintonia, estão sempre unidos. Talvez, por acaso, essa seja a homenagem de Dalí aos casais, e aqui fica essa homenagem (atrasada) do Surrealismo do Acaso para todos aqueles que são uma só paisagem… 

P.s.: eu consegui perder a foto original…

Anúncios




Gustav Klimt

22 03 2008

Gustav Klint não era um pintor do surrealismo. Mas merece ter um breve comentário aqui no Surrealismo do Acaso. Por que então esse maluco vai escrever sobre ele, você se pergunta. Porque esse autor que vos escreve está de mudança para Curitiba, terra natal de Ewaldo Luiz M. Mehl, alguém que nasceu dia 29 de fevereiro de 1956 e tem muito poucos anos de vida… Ou seja, a casa está bagunçada e estou com pouquíssimoGustav Klimt - Danae tempo para escrever.

Klimt era um sujeito que adorava usar uma túnica, que nasceu e viveu durante a monarquia austro-húngara dos Habsburgos (wow), ou seja, Viena dos séculos XIX e XX. Sua arte foi bem peculiar, Klimt retratou o nú de forma a demonstrar mais do que simplesmente o corpo da mulher ou seu sexo, a paixão e o amor são sentidos na ponta da língua quando se vislumbra uma de suas pinturas. Também fica claro que sua adoração pelas mulheres ruivas deixou marcas através do tempo…

Seria errôneo resumir seu trabalho em acadêmico ou clássico, sua pintura transcendeu esse tipo de classificação. Um simples retrato de uma aristocrata vienense qualquer, saía algo como o retrato de Adele Bloch-Bauer I, ou seja, o cara foi um gênio com G maiúsculo!Gustav Kilmt - Adele Bloch-Bauer I

Deve ser uma coisa muito maneira ser retratado dessa forma… No entanto, o desenho de Klint parece ser algo incomparável, as formas, as linhas, a palidez são características muito marcantes em seus quadros.

No mais, Klimt é algo bom para os olhos e ruim para o bolso, suas obras são avaliadas em milhões de unidades monetárias, porém, caso sua fome pela arte seja implacável, grande parte de seus quadros, incluindo a Adele aí ao lado, pode ser vista nos diversos museus de Viena, ou seja, seu bolso te agradecerá!?!





Max Ernst

22 02 2008

Pode-se dizer que Ernst foi um dos primeiros pintores surrealistas propriamente dito. Como fiz com Dalí, não vou escrever uma biografia, isso também já foi feito (o autor é Ulrich Bischoff e o livro, salvo engano, chama-se Max Ernst 1891-1976: além da pintura), vou é comentar o que de mais importante considero na vida de Ernst porque ele fez mais do que viver, judeu de origem alemã (perseguido na 2ª guerra), pensou um mundo das artes diferente e foi o primeiro a propor duas coisas nesse intrigante mundo: parar de fazer as coisas ou como elas são (acadêmicos), ou parar de fazer sempre a mesma coisa (naturezas mortas, flores etc). Com seu O elefante Célebès, a pintura teve um novo marco, retratar ou criar segundo pré-definições estéticas não era mais tão importante, o que entrava em voga era aquilo que o subconsciente retrava. Ernst encarava isso como um não planejamento das imagens, elas simplesmente apareciam no decorrer do seu trabalho.

Tanto era assim que Ernst nunca teve aulas formais de pintura. Suas técnicas não se limitavam a pincelar quadros, ia muito além, criou métodos dos mais variados, dentre os mais conhecidos, os da colagem, fotocolagem, fricções, transferências etc. De posse de tais métodos/técnicas, Ernest foi um dos poucos “pintores” a demonstrar que genialidade e arte não andavam de mãos dadas de jeito nenhum, dizia que uma vez dominada a técnica, o que se pode fazer beira o infinito.

O que mais me chamou (e continua chamando) a atenção em Ernst são duas “pinturas” ímpar, nelas a técnica utilizada é a da transferência. Pelo que entendi, Ernst pegava uma fatia de pão ou mesmo um papel, colocava tinta e espremia na tela… As imagens que brotam são sem-iguais! Dizia ele que tal técnica, no início, é meio complicada e irritante, porque você tem que testar a pressão de várias formas, mas depois de alguma experiência, o resultado é algo como Europa depois da chuva (ou Europe after the rain). Não sei se ele se referiu à deusa Europa ou ao continente, entretanto, explicar quadros surrealistas é a última coisa que pretendo fazer. É claro que a maioria dos quadros famosos não foi feita por meio dessa técninca, um belo exemplo de quadro que causou o maior rebuliço foi o A virgem espanca o menino Jesus vigiada por 3 testemunhas: André Breton, Paul Eluard e o próprio artista. Os motivos são óbvios… Outra característica marcante dos quadros ernstinos de Ernst são que você dificilmente vá notar alguma semelhança intrínseca na forma ou mesmo nos desenhos. A diferença é tanta que se você enfileirar vários quadros dele, dificilmente vai parecer que só uma pessoa pintou de tantas formas.

Bom, Ernst fica por aqui, vale lembrar que surrealistas nunca andam sozinhos, Leonora Carrington, pintora que também será alvo de um comentário do Surrealismo do Acaso (um dia), andou dando uns malhos com nosso surrealista-tema, malhos esses muito mal sucedidos, ambos comeram o pão-que-o-diabo-amassou, não por causa da moral e bons costumes, culpa de Hitler, mais uma vez.