Amapá

1 11 2007

“Ela faz pobre beber, faz rico ficar na lona, gaiteiro ficar maluco e rasga sua sanfona! Homem sério de verdade (eu) por ela se apaixona, também estou nesse jogo, por causa da gostosona!”

Teodoro e Sampaio

Postagem no banho. Os dois pedaços finais de dois sabonetes se entreolharam, dominaram minha mente. Assumiram o controle da minha mão, cada mão com um pedaço do sabonete, as mãos se uniram comprimindo os sabonetes. Em uníssono me disseram: “Now we are one!” (Agora somos um só). Essa é a sina de quem mora com o pai ou sozinho ou com amigos, é a alegre sina de ser homem e conviver com homens.

Em banheiros coletivos, quando o sabonete cai no chão ninguém pega, jamais, a não ser que… Os faxineiros recolhem toneladas de sabonete e, sem ter o que fazer com os coitados, montaram uma cooperativa, COOPERNETE, onde reciclam sabonetes e ficam cada dias mais perto de se tornarem ricos, por meros detalhes, que pelo sim, pelo não, fazem a diferença!

Anúncios




Homenagem às trufas (de chocolate)

7 10 2005

Que esse post possa servir como brincadeira e homenagem aos vendedores de trufas e nunca como zueira ou humilhação.
Temos na faculdade que não posso citar o nome sob pena de inquéritos administrativos, um rapaz muito batalhador que todo dia vem alegre e sorridente nos oferecer suas tão saborosas trufas. O raciocínio de hoje é o seguinte, segundo meus cálculos ele deve tirar uns R$ 300,00 por mês haja vista que ele vende todas as trufas todos os dias. Raciocínio dois, ele deve ter bolsa na referida faculdade inquisitiva. Conclusão, ele deve pagar a faculdade com o dinheiro produzido pela venda das trufas. O que isso tem de mais, devem estar se perguntando, ora, é óbvio, imaginemos que ele seja impossibilitado de vender trufas, ele não poderia mais frequentar as aulas pois não pagaria a mensalidade e portanto o algo que o fez ficar impossibilitado de vender trufas jamais seria solucionado, isso pois ele necessita da referida faculdade inquisitória para vender as trufas… É um círculo vicioso que uma vez iniciado, não tem mais volta, ou nosso amigo se forma imediatamente, ou que nada aconteça com ele impossibilitando-o de vender suas tão saborosas trufas.

E fica por aqui tão maluca homenagem!