Dois banheiros

20 05 2009

Essa história aconteceu entre agosto e dezembro de 2008.

Ser um quintanista de direito tem lá suas vantagens, pouca aula, muito buteco, muita festa bancada pelos professores e uma sabedoria muito peculiar: conhecer todo espaço físico da faculdade.

Um desses espaços físicos que só os quintanistas de direito de uma faculdade de Marília conhecem chama-se banheiro da biblioteca. O local de sua construção é estratégico, fica nos fundos da ala de vídeos educativos, ou seja, 2 ou 3 visitantes por biênio. Sendo assim, quando a vontade apertava era para lá que os quintanistas corriam.

No entanto, um de meus amigos desconhecia o paradeiro desse pacífico local, expliquei e lá foi ele em sua desbravante epopéia. E aqui abro um aparte para elucidar mais uma das vantagens de ser quintanista: a amizade que um curso de 5 anos proporciona, não há meio termo entre uma conversa de quintanistas e eis que em seu retorno ouvi o seguinte relato.

“…cheguei e entrei na primeira porta que vi. O silêncio de lá é reconfortante e animador. Sentei-me na privada e logo veio a linha de frente das tropas do general Delgado. O barulho era ensurdecedor mas eu ouvi ruídos estranhos ao que estava acostumado. Não dei bola e dei continuidade à batalha. No entanto, os ruídos continuaram estranhos e resolvi parar de repente, só pra confirmar. Foi então que reparei que não estava sozinho, havia outra pessoa na porta ao lado da minha.

Nem pestanejei, comecei a gargalhar como um maluco e o sujeito ao lado também. Após as risadas começamos a conversar. Falamos sobre algumas novas modalidades de contrato, da reforma do Código Civil, da farsa do tribunal do júri etc. Então veio o momento crucial. Precisavamos sair… Ele sugeriu que um esperasse enquanto o outro tivesse tempo para evadir-se da biblioteca. Eu concordei e assim foi, ele saiu, esperei mais 2 ou 3 minutos e também sai. Não sei quem é, nem nunca vou saber. E tudo isso graças a você!”

Eu ouvi isso de verdade, por isso não cito nomes nem datas mais precisas.

Créditos fotográficos: Almeirim

Anúncios




Conto Surreal#2

18 06 2008

Um espetáculo ocorria dentro de um apartamento na zona rural de Goiás. Entrei pela janela, como mandava a tradição dos orientais ali presentes.
Uma explosão de som emudecia as bocas fechadas pelo ar condicionado que, de tão forte, fazia com que o assado de porco, recém saído do forno, ficasse resfriado.
Neste momento procurei misturar-me aos contadores de moedas do sofá da esquerda, mas não fui bem sucedido. Ao me aproximar, acabei derrubando alguns centavos pela fresta do sofá.
Afastei-me com medo daqueles olhares e enfiei-me dentro da geladeira. Lá dentro, ofereceram-me pudim de leite condensado. Uma mulher de cabelos longos ofertou um pedaço em cima da tampa da margarina.
Após agradece-la, percebi que batiam na porta da geladeira. Abriram-na. Saí nesta oportunidade e fui para cozinha.
Algumas mulheres gordas, comandadas por um jovem cozinheiro faziam uma prece. Sentados em circulo e de mãos dadas, falavam sobre as pirâmides do Egito, enquanto uma baiana japonesa benzia-os com o shoyo.
Tentei iluminar a situação com uma vela, mas fui proibido de ascende-la, pois o ar já estava rarefeito.
Um homem de aparência oriental me disse que o oxigênio do apartamento era contado na medida exata para os habitantes presentes, e que era a sua função aumenta-lo ou diminuí-lo, de acordo com o numero de pessoas.
Tomou-me a vela das mãos e apontou-me o quarto de maneira efusiva.
Ao adentrar-me no recinto, topei com um caixão e pessoas vestidas de roupas escuras com um olhar melancólico. No entanto, em suas cabeças, um chapéu feito de pele e lã de carneiro aparentemente contrastavam com a situação.
Isto pois dentro do caixão um carneiro jazia.





Um Conto Surrealista

10 06 2008

As cordas daquele instrumento maldito fizeram-me desfrutar de um desejo carnal saliente. Um deja-vú fez-me lembrar da crosta terrestre do meu bairro. Corri em direção a ele, com uma moto-a-vela, emprestada do capitão da polícia. O som do martelo de vento disparou-me às minhas costas como se fosse uma caneca de chá.
Algo escorreu-me às pernas.
Um energético de frutas vermelhas fez-me acordar do tombo. Nada fazia muito sentido naquela noite ensolarada e fria. Os patos faziam cesta a minha volta e aquele som ainda me excitava. Como poderia me satisfazer?
Apanhei um bocado de lenha e construí uma estatua do que poderia estar pensando. Mas logo que ficou pronta, senti um frio na espinha e ateei fogo. Aquilo ficou indemonstrável e indecente! Esquentei-me com a fogueira apagada pelo sol, que refletia na água, respingando nas margens daquele rio, que, com o tempo, chegou a secá-lo completamente.
Um vulto contou-me aos sussurros, da periculosidade com daquele local. Contou-me uma história de pessoas que morreram ali, pois lutavam e se matavam por algum pedaço de pano simbólico.
Satisfeito com o sermão, continuei buscando satisfazer-me. A medida que corria, acompanhado pelos patos, percebi que estava descalço. Agradeci (acho que aos patos) por isto, pois meus pés desnudos fizeram-me sentir um alçapão no asfalto da floresta do rio seco.
Desci por uma imensa escada, que me levaram a um estabelecimento comercial de velas para navios antigos.
O atendente logo veio maldizer o tempo, pois, segundo ele, não chovia há algum tempo.
Perguntei-lhe daquele som que ouvira e que buscava com empenho, mas ele ruborizou a face e me ofereceu um café.
Concordamos, naquele momento, em ler o jornal: “Ouro reabilita droga anti-HIV em teste”
“Inglaterra poderá fazer vinho “francês” em 2080´, diz estudo”.
Após as conclusões necessárias, voltei ao bairro movido por aquele deja-vú para tentar achar outra pista daquele som sujo e chamativo.
Indecifrável e bem escondido, desisti. Acabei, segundo o significado de um vernáculo do dicionário, no seu sentido figurado, em uma “inutilidade de tratar os mesmos temas (considerados infecundos), numa discussão ou pesquisa intelectual ou artística, de modo repetitivo, complacente e inconcludente”.





Pandora

17 12 2007

As vezes, antes de iniciar uma poesia, ou talvez para melhor exorcizá-la de minha ilegível e confusa mente para o papel, escrevo tudo o que está se passando pela minha mente. O resultado é um monte de palavras amontoadas que precisam ser rearranjadas para formular um sentido inteligível. Não foi o caso desta, pois ao tentar construir tal operação, utilizei-me de palavras parecidas ou de fonemas parecidos, remetendo uma sentença a outra. Daí saiu o seguinte:
“Aos que estão, que estão estáticos, questionando aquela questão que está quieta, queremos que estes estáticos esquisitos não se queixem e queiram questionar quem quer que esteja querendo qualquer coisa. È a questão que quer calar”.
Após ler a frase nascida, da qual recorri para buscar inspiração, veio em minha mente a figura de algo que guarda alguma coisa. Uma caixa! Uma vez inspirado, busquei algum “eu-lírico” e o resto foi fácil…
Oh, caixa cubólica esquisita
cuja missão é sempre guardar
Cuida de assuntos sempre alheios a ti
e até segredos que vem a calhar
Fileiras e pilhas te encalham aí
mas tua presença sequer é notada
pois tu és tímida e quadrada
depositada nos cantos aqui e ali
Soberana sabedoria compactada
recheada de lembranças embaraçadas
na maioria informações já usadas
e que foram até descartadas
Se nascestes pra ponderar o que guarda
quem guardaria algo em tí?
Siga a vocação que te foi emanada
Não deixes que te abra
minha namorada!