Crível Pensamento

30 07 2009

O soberbo e sempre soberano pulsar do pensamento

Pois em mim anguloso e nem sempre aleatório movimento

porém,

acima de tudo, inconfesso no desejo de migrar para além

de tudo o que é belo,

e sublime,

e presente no peito amado.

Crê em minhas palavras mas não credite os sentimentos.

f.





Surrealismo em vídeo 2

4 06 2009

Eu que fiz!





Quando a vida te der limões

28 05 2009

Limões

Porque a vida é injusta.

Vi no Capinaremos que viu aqui.





Ser ateu é ser moderno…

27 05 2009

Esses dias no Jô um dos entrevistados foi o jornalista Marcos Losekann, o correspondente global em Israel. Veio para o Brasil para o lançamento de sua trilogia Entrevista com Deus, inspirada em fatos reais ou não. O livro, mui supercialmente explicado por ele, conta a história de um jornalista ateu que, ao final da narrativa, tem plena certeza de ter entrevistado o Pai eterno, sendo o grande mote do livro a dúvida sobre a realidade dessa entrevista.

No meio de sua entrevista para o gordo mais conhecido do Brasil, Losekann diz não ser ateu, que no meio jornalístico ser ateu é visto pelos outros jornalistas como conditio sine qua non para se tornar um bom jornalista e que isso o irritava. Daí disse qualquer bobagem para provar a existência de Deus.

Uma coisa é verdade, a maioria dos ateus considera os que tem alguma religião pessoas intelectualmente inferiores. Uma porque leram a bíblia com mais afinco que qualquer pastor de merda. Outra porqe leram o Anticristo do Niezstche e se consideram tão ou mais “espíritos livres” que o próprio autor.

Existem dezenas de casos que poderiam comprovar a tese número um, de que traças de bíblia são realmente muito burros, como esse:

O fato é que o ateísmo, embora parece o contrário, cresce e muitos se sentem envergonhados de assumir que acreditam em alguma coisa. Ser católico por exemplo pode dar a entender que você não se importa com os padres pedófilos, que você não usa camisinha, não trepa antes do casamento nem é a favor das pesquisas com células tronco. Ser evangélico protestante passa a imagem de que você é um tonto que entope o rabo dos pastores com o dinheiro ganho a duras penas.

A melhor escolha parece ser adotar uma religião oriental. Até onde sei eles não tem problema com homossexualismo e dinheiro é a última coisa que querem (vide a vida asceta que os monges budistas têm). Nunca soube de uma guerra que tivesse começado por parte de budistas ou hindus, tampouco os vi condenarem qualquer atitude do ser humano (nem cigarro eles criticam).

O lado bom dos ateus é que sempre estão dispostos a uma boa e inútil discussão com quem quer que seja. Em suma, acreditar em alguma coisa deveria ser encorajado, afinal de contas você não quer que a Hebe tenha pena de você por não ter Deus no coração…

A vanguarda surrealista preferiu excluir Deus de seus trabalhos por diversos motivos,  no entanto Dalí era católico apostólico romano, dos fervorosos. A arte sempre esteve lado a lado com a religião, um bom exemplo é a Última Ceia do tão discutido e aclamado Da Vinci. Em suma, quer ser ateu? Lembre-se que existem bilhões (literalmente) de pessoas que acreditam nalguma coisa, seja ela qual for, até no “Fluído” como diria um antigo professor…

A última ceia

Pintura original aqui. Sabe me explicar esse post dos Irmãos Brain?





Dois banheiros

20 05 2009

Essa história aconteceu entre agosto e dezembro de 2008.

Ser um quintanista de direito tem lá suas vantagens, pouca aula, muito buteco, muita festa bancada pelos professores e uma sabedoria muito peculiar: conhecer todo espaço físico da faculdade.

Um desses espaços físicos que só os quintanistas de direito de uma faculdade de Marília conhecem chama-se banheiro da biblioteca. O local de sua construção é estratégico, fica nos fundos da ala de vídeos educativos, ou seja, 2 ou 3 visitantes por biênio. Sendo assim, quando a vontade apertava era para lá que os quintanistas corriam.

No entanto, um de meus amigos desconhecia o paradeiro desse pacífico local, expliquei e lá foi ele em sua desbravante epopéia. E aqui abro um aparte para elucidar mais uma das vantagens de ser quintanista: a amizade que um curso de 5 anos proporciona, não há meio termo entre uma conversa de quintanistas e eis que em seu retorno ouvi o seguinte relato.

“…cheguei e entrei na primeira porta que vi. O silêncio de lá é reconfortante e animador. Sentei-me na privada e logo veio a linha de frente das tropas do general Delgado. O barulho era ensurdecedor mas eu ouvi ruídos estranhos ao que estava acostumado. Não dei bola e dei continuidade à batalha. No entanto, os ruídos continuaram estranhos e resolvi parar de repente, só pra confirmar. Foi então que reparei que não estava sozinho, havia outra pessoa na porta ao lado da minha.

Nem pestanejei, comecei a gargalhar como um maluco e o sujeito ao lado também. Após as risadas começamos a conversar. Falamos sobre algumas novas modalidades de contrato, da reforma do Código Civil, da farsa do tribunal do júri etc. Então veio o momento crucial. Precisavamos sair… Ele sugeriu que um esperasse enquanto o outro tivesse tempo para evadir-se da biblioteca. Eu concordei e assim foi, ele saiu, esperei mais 2 ou 3 minutos e também sai. Não sei quem é, nem nunca vou saber. E tudo isso graças a você!”

Eu ouvi isso de verdade, por isso não cito nomes nem datas mais precisas.

Créditos fotográficos: Almeirim





Quem quer um quadro surreal?

11 05 2009

Autêntico! Clique para ver em tamanhão.

Autêntico! Clique para ver em tamanhão.

Eu não vou dar nenhum quadro, então não se iluda. Talvez eu nunca consiga comprar uma obra original, o preço é alto demais para os meus pobres padrões de vida… Aliás, muita gente jamais vai botar os olhos num original, museus brasileiros não são muito fãs do surrealismo.

Mas eu quero saber, se você pudesse, compraria uma cópia? Eu tenho um Magritte, o famoso Mnazna.

Mnazna

Se eu pudesse eu teria mil! Da pra ver minha cara feliz aí? Será que tem mais gente que pinta cópias? Qual será o valor?

Que tal assinar o feeds e ficar por dentro das novidades?





A metamorfose kafkiana

7 05 2009

Kafka deve ter sido interpretado de inúmeras maneiras. A partir do momento que você escreve alguma coisa, quem lê digere aquilo da maneira que lhe convém e reproduz do jeito que quer, é fato. Com Kafka não é diferente, basta fazer uma breve pesquisa no Google que os resultados vão pulular na sua tela.

Um de seus livros mais interessantes é a Metamorfose, tanto pelas diversas interpretações quanto pela história. E pelo que me parece as escolas estão cobrando sua leitura. Se você chegou aqui procurando um resumo, achou. Faça o seu trabalho da escola, mas por favor não pare por aí. Feito o trabalho, a leitura não é mais obrigatória, portanto muito mais prazerosa. O texto é pequeno, não vai perder nem um dia da sua vida, pelo contrário, vai ganhar e muito. 

Interprete Kafka à sua maneira, te ponha no lugar da baratona, sinta os olhares daquele povo. Não é tão absurdo quanto parece, garanto. Pra falar a verdade o mundo de hoje é tão mais absurdo que uma comparação seria injusta…

Kafka

Lembre, Kafka era um advogado mas trabalhou como bancário a vida toda, ou seja, com certeza conheceu a mais lenta burocracia de toda galáxia (imagine os bancos em 1920), nunca foi bem sucecido nem queria que seus livros fossem publicados depois de morto. Judeu, sexualmente frustrado tido por alguns como homossexual (não sei como nem porque), Franz Kafka também é para mim um dos maiores romancistas que a história já conheceu. A biografia é “triste”, concordo e infelizmente, quanto pior pra eles melhor para seus leitores…

Crédito fotográficos: Flickr e blog.