Poesia surrealista #2 – Salvador Dalí

12 06 2008

Gala,

não está incluída

no círculo

de meus objetos de relações

teu amor está de fora

das noções comparativas e mendicantes

dos sentimentos humanos

porque não tenho sentimento algum por ti

porque os sentimentos supõem a ausência do amor

ou sua fraqueza

e é de fora de todo sentimento

que a representação pura e única

dos meus desejos

me liga sem medo

as representações violentas de minha morte

e é ainda

fora dos sentimentos

que a representação pura e única

me faz entesar e descarregar

fora

imagens hipnagógicas suplementares

da masturbação

fora

da curva nostálgica

dos lugares-comuns perversos

fora dos relógios sensibilizáveis

por meio

de uma multidão de tinteiros

colocados em equilíbrio

ao longo de teu corpo alongado

sobre um travesseiro de algas marinhas

cor de merda

de fora

das estratificações mentais

que nascem

de origens hipoteticamente sensíveis

da fixação nacísica

de meus próprios cheiros

hierarquicamente

o cheiro dos meus pés

o cheiro do debaixo de meus colhões

o cheiro da minha glande

o cheiro das minhas axilas

o cheiro de minha própria merda

O AMOR E A MEMÓRIA (1931)

dali

Salvador Dalí – Seus poemas estão reunidos em La Femme Visible (1930) e L’amour et la Mémoire (1931).

Fonte: Os arcanos da poesia surrealista – Seleção de José Pierre e Jean Schuster com tradução de Antônio Houaiss. Editora Brasiliense.

Anúncios




Moda surrealista na História da Arte

5 06 2008

Trabalhos! A faculdade além de ser uma empresa adoradora da ‘Musa Extorsão’ costuma arrumar mil coisas pra fazer em fim de semestre. Não sei se isso faz parte dos dogmas ou parte do próprio corpo de seguidores remunerados por ela. Está certo que pela quantia cobrada, a cada ano mais exorbitante (isso que não faço medicina…), é primordial que estimulem os acadêmicos e mais, que os desafiem. É estranho mas de forma torta talvez o consigam (em parte). Estou com uma fileira de pastas aguardando organização, desenhos para pintar, aquarelar, roupas para fazer, desfile e o trabalho que mais tem me interessado é um de História da Arte. Bingo! Fazer uma composição baseada em um movimento artístico. Adivinha? Certo! Surrealismo.

Então o que vai ser? Ainda não tive um sonho inspirador (quem sabe Freud ajudaria) mas como ando devaneando de olhos abertos penso quem sabe fazer um vestido-tela-escultura misturando desenhos, bordados alguma coisa em papel machê saindo pelo ombro com a intenção de pegar alguém de assalto. (Ins)pirações, ainda preciso delas.

Isso ajuda? … Quem sabe isso?

O que sairia daquele ovo lá em cima?





Mês de Salvador Dalí

14 05 2008

Por que… ele teria feito mais um aninho dia 11 passado caso ainda estivesse por aí (mais de cem!). Salvador Domingo Felipe Jacinto Dalí i Domènech, marquês de Púbol, foi pintor, escultor, desenhista, escritor e cineasta… Quer mais? Um dos maiores ícones do Surrealismo, mesmo expulso, merece mais esta menção por aqui.

De um guri que ouviu dos pais que era a reencarnação do irmão ao companheiro de 50 anos de vida pode-se esperar de tudo mesmo, incluindo sua auto-denominação de ser O surrealista. Permitiu-se experimentar tudo. Começou sob influência de Giorgio de Chirico, embalou muitos trabalhos com a Paranóica Crítica defendendo que os quadros deveriam ser fotografias manuais e em cores. Explorou a violência, o erotismo e o mundo onírico em seus trabalhos. Tudo muito forte, cruel, metamorfoseado, tudo como na autodefinição: “espontâneo, de conhecimento irracional baseado na associação interpretativo-crítica dos fenômenos delirantes”. Compreende?

Não foi um artista como os demais, daqueles criadores e só (como se isso fosse um “apenas”!), partindo para outras invencionices depois da 2ª Grande Guerra. Aí ele mais uma vez extrapolou com a arte criando para a moda, publicidade… Inventou móveis, jóias, sapatos musicais, sim, que tocavam enquanto eram calçados, lindo isso.

E quantos grandes homens conhecemos com aquele bigodinho? Apenas um, brilhantemente inserido em sua própria época. Assim foi Diego Velásquez, agora o não menos inquietante John Galliano e o foi Dalí. O Surrealista.

f.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/biografias/salvador-dali.jhtm





Surrealismo na moda

5 05 2008

Fonte: Müller, Florence. Arte e Moda – 1957, Cosac & Naify.

Fotos: Revista Elle (francesa), fevereiro de 2002.

 

Procurando umas revistas para recorte encontrei uma matéria interessante sobre a moda e surrealismo em montagens fotográficas. Não me pergunte muito pois não traduzi a reportagem e vou apenas limitar a exposição das fotos que saíram…

Antes, porém, vale saber que o surrealismo foi um movimento realmente presente na moda. Eis um apanhado:

Em 1924 houve o lançamento da revista La Revolución Surrealiste, onde Man Ray publicou fotos de moda.

1927: Elsa Schiaparelli – fabulosa – abriu uma maison em Paris e lançou os famosos suéteres trompe-l’oeil.

A partir de 1936 ninguém mais ninguém menos que nosso conhecido Salvador Dalí passou a desenhar vestidos e acessórios para Schiaparelli.

1938: Na Exposição Internacional do Surrealismo em Paris vários artistas, entre eles Marcel Duchamp, André Masson e Salvador Dalí vestiram os manequins.

Já em 1939, o sempre criativo Dalí faz as duas vitrines para a loja de departamento nova-iorquina Bonwitt Teller provocando escândalo. Nesta época algumas coisas ainda tinham este poder.

 

 

E…vamos ao ensaio:

 

Chanel por Karl Lagerfeld

 

 

 

 

Chanel por Karl Lagerfeld com Salvador Dalí

 

 

 

 

 

 

Gyvenchy com Hebert Bayer

 Givenchy

 

Gautier Paris com René Migritte

 

 

Gautier Paris com René Migritte

 

Emanuel Ungaro com Man Ray

 

 

Pierre Balmain com Salvador Dalí

 

 

Christian Dior com Pierre de Molinier

 

 

Atelier Versace com Salvador Dalí

 

 

Christian Lacroix com Max Ernst

 

 

f.