Catatumba vazia, Amor de todas as vidas e só.

28 05 2008

Os ricos versos de Matajiradh foram para o movimento surrealista o que a democracia foi para a China. Nada. Ou quase nada. O autor de fábulas como ‘Chove leite dos vapores de mel no paraíso de Drhya’ e ‘O escorpião leva rosas na boca’ entre uma série de contos e poesias descansou a pena durante dez anos para se dedicar a desenhos e pinturas toscas que na essência guardam o teor puro do surrealismo mesmo muitos anos antes deste surgir e muito antes ainda do paranóico-crítico despontar como uma das expressões máximas de um dos ícones rejeitados do movimento.

Pouco restou do trabalho do autodidata Matajiradh que buscava em infindáveis fórmulas o sucesso sempre vão e escorregadio assim como sua vida nos idos de 1490, data aproximada em que os exíguos estudiosos da obra deste criativo sugerem que ele faleceu de causa misteriosa, tanto que seu corpo enterrado sem identificação nunca foi encontrado quando procurado dois anos após sua morte por um parente que morava em outra província do norte da atual região dos Países Baixos.

Pode ter notado que o nome Matajiradh aparenta influência indiana e tem. Na verdade consta no mesmo documento que cita a busca do referido parente (este não identificado e muito menos o grau de parentesco entre eles) que o verdadeiro nome do poeta-pintor era outro, de sobrenome desconhecido, apenas podendo ser identificado como Hari e que este adotou o nome Matajiradh depois de uma viagem empreendida da qual pouca ou nenhuma notícia se tem. O que vi em comentários feitos em um blog de um pesquisador da obra é que nesta viagem Hari teria conhecido um homem estrangeiro e travado grande amizade.

O conteúdo também deixa transparecer uma dúvida quanto ao sexo de Hari. Na verdade a dúvida surge porque o nome não seria Hari e sim Ari, uma corruptela de Ariadne e Matajiradh foi usado pelo poeta-pintor para assinar seus textos após essa viagem. Talvez essa amizade com o estrangeiro não tivesse sido assim só uma amizade, talvez um casamento. Mas como as mulheres geralmente foram discriminadas nestes períodos, as primeiras notícias que se tem dos estudos de Matajiradh consideram-no homem. Este artifício foi usado por outras mulheres na história e para minha infelicidade não surge nome nenhum no momento.

O fato que levou ao nascimento deste artigo foi a leitura de um fragmento de poesia que em tradução literal ficou com o seguinte título: Amor de todas as vidas – e cujo trecho está no final do artigo. O que me chamou mais atenção é que este contemporâneo de Hieronymus Bosch, que pode ter sido influenciado por este renascentista visionário, talvez e na minha opinião um dos mais puros surrealistas, e suas pinturas pouco apreciadas na época em que a arte de dissociava da igreja e o belo era exaltar o homem.

Amor de todas as vidas

Seguir-se ia o influxo da morte

no leito derramado de odores

enquanto belas viríeis, [são] as virtudes dos observadores

saberias entrar [?]

pétala amarela de flor

em teus cachos salutares

no peito que exibe o regaço da transfiguração

num ventre límpido que a memória ressuscita em sonhos

lugar [onde] o mais branco brilha entre carne e águas mornas

Na fronte dispõe os símbolos [do que] pensas natural

e são tão somente sinais do amor trazido de todas as vidas

que reconheceríeis em qualquer

E continua.

f.

Para entrar em contato: cristianefas@hotmail.com


Ações

Information

3 responses

29 05 2008
Adriano

Saudações…
Cris, adorei tudo isso… e fiquei intrigado com a historia do cidadão… a questão do ‘Mataji’ realmente nos levaria a crer que era mulher (MAtaji, em sanscrito – algo como “Mãe querida”, “mãezinha”)… enfim… achou algum pintura dele (a)? O poema achei maravilhoso, e também parece ter traços orientais… seja quem for, de onde for, pra onde foi, e com casou(…rs) obrigado por nos apresentar, e vale a pena continuar esta pesquisa, agora pode contar comigo. BeijOm.

29 05 2008
Ricardo Rayol

Leia os ensinamentos esotéricos oportunistas do mago Heitor Caolho, a quem tenho a honra de ser psicografo

2 06 2008
Adriano

Opa! entaum da uma força ai Ricardo com teu mentor! Numa dessa encontramos este ser por ai, nos planos sutis, passeando nos desertos astrais…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: