Um pouco de anarquia

17 05 2008

Bom, esse artigo foi feito pra tentar explicar um pouco dessa teoria “política” que não deixei bem clara no artigo sobre o Surrealismo e a Anarquia, fato esse que pode ter gerado o comentário muito bem vindo da Elizabeth.

Será mesmo que a proposta anarquista era a de ir contra tudo de forma irresponsável sem dar nenhuma contra-partida como solução? A história parece mostrar que não. O fato é que as contribuições anarquistas sobrevivem até hoje, a proposta está, não num plano de governo como fez nosso ilustre Presidente da República para galgar sua posição, mas sim na maneira de pensar de uma sociedade inteira. Exemplo: como você sabe, o ensino até algumas décadas atrás era pautado na “autoridade” do professor sobre o restante da sala de aula. Se alguém desse um pio na hora errada, sua punição flertava com a humilhação até castigos físicos. O respeito professor aluno simplesmente não existia, era uma relação de medo, a meu ver. Você pode pensar: “mas funcionou”. Sim, funcionou tão bem que conseguiram entupir o planeta de poluição, racismo, guerras etc…

A pedagogia libertária, proposta por diversos pensadores da filosofia anarquista, dentre eles Kropotkin, era o inverso de tudo acima citado. A pedagogia libertária pauta-se não na autoridade do medo mas na do respeito mútuo. Respeita-se a autoridade porque ela foi conquistada não imposta. E o que você nota nas salas de aula hoje em dia?

Mas isso é só um dos exemplos do que eu quis citar. Outro é sobre a administração pública. Brasília, ao contrário do resto das cidades brasileiras, não é gerida por um prefeito nem possuí vereadores. A gestão lá é feita por um administrador escolhido pelo governador do Distrito Federal. Sim, mas o que isso tem a ver com o anarquismo? A proposta sempre foi essa, o contrato como forma de gestão da coisa pública. A democracia gera esse efeito de que a “maioria” é quem decide. Sim é verdade, mas e as minorias? Sim, são várias! Para você ter uma idéia, algo em torno de 5 milhões de pessoas anularam seus votos nas últimas eleições presidenciais. Ou seja, essas 5 milhões de pessoas tem sua opinião esmagada pela vontade da “maioria”. E isso não é uma exclusividade democrática, o socialismo conseguiu realizar o mesmo feito com a ditadura do proletariado. No entanto quando a autoridade para se administrar a coisa pública é conquistada e não imposta, talvez o problema possa ter uma solução.

Bom, o artigo ficou longo, eu só quis citar alguns exemplos, se alguém tiver algo a discordar, por favor, comente!

Anúncios

Ações

Information

One response

17 05 2008
Ricardo Rayol

Sugiro que visite o blog do Guilherme, ação humana, ele tem umas idéias que irão completar esse texto aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: