Reforma ortográfica

20 05 2008

Dia 19/05/08 foi assinado em Portugal o acordo ortográfico que unificará a língua portuguesa em diversos países lusófonos. No Brasil, como tudo que acontece no Congresso, a implementação da mudança ainda está enrolada. O acordo já foi firmado por mais de 3 países como quer a tal Comunidade de Países de Língua Portuguesa e nada de mudanças por aqui. Se você quiser mais detalhes clique aqui e aqui.

O interessante é notar o inconformismo dos portugueses. Pelo que li, pensam que os brasileiros em geral aprovam e apoiam a tal mudança. Mas pera aí cara-pálida! Os brasileiros mal sabem compreender um texto simples quiçá uma reforma ortográfica inteira… E não param por aí, zombam da nossa maneira de falar! Eu não vou, tal qual o O Andarilho não vai, começar uma guerra Brasil-Portugal, embora deveria, no entanto, após ter lido as mudanças na ortografia, penso que vieram para o bem, pelo menos para o Brasil. Eu NUNCA aprendi como usar a desgraça do trema, nem jamais soube pontuar seguindo regras nojentas de análise sintática, tudo que aprendi foi graças à leitura, jamais graças às, perdõem-me, professoras estúpidas que, virava e mexia, me deixam de recuperção com riscos de repetência. Tudo que elas sabiam fazer era entupir a lousa com obejtos diretos e indiretos, verbos que transitam e toda perda de tempo dos nossos tempos de… “Ensino Médio” né?

Talvez se as mudanças só ocorresem por aqui as coisas fossem mais fáceis, porque se depender dos portugueses vamos voltar a ir para as Pharmácias comprar hervas medicinais.





Pela valorização da mulher brasileira!

8 03 2008

Hoje é dia de blogagem coletiva e o Surrealismo do Acaso, mais uma vez, deixa de lado suas efemérides para adentrar um tema de extrema relevância na sociedade hodierna: “a mulher brasileira”. A idéia da blogagem é da Lys, uma guria sensacional, dona do blog Lys, no labirinto de seu universo desconexo, e de sua amiga Meiroca que, infelizmente, não tive a oportunidade de conhecer. A importância e necessidade do tema é indiscutível, mas se você pensa que não, de uma lidinha nesse artigo pra começar a ter uma idéia… Como dia 8 de março além de ser o dia da mulher é também o dia do baile da minha formatura e vérspera da 2ª fase do exame da OAB, esse artigo foi programado, qualquer erro, culpem o WordPress!

Nessa senda, nada mais justo do que comentar nesse dia a vida-obra de uma mulher que bateu de frente com os anseios sociais de sua época, nossa Musa Antropofágica: Patrícia Rehder Galvão ou simplesmente Pagu, como ficou conhecida. Pagu não era mesmo o modelo conservador de mulher que, em sua época, era imposto às garotas.

“Nada mais sou que um canal
Seria verde se fosse o caso
Mas estão mortas todas as esperanças
Sou um canal
Sabem vocês o que é ser um canal?
Apenas um canal?”

Com o cabelo bem curto, saí para as ruas fumando e exclamando palavrões, coisa que, à época, era tido como, no mínimo, heterodoxo… Bem nova começa a publicar seus textos sob o pseudônimo Patsy no Brás Jornal.

“Evidentemente um canal tem as suas nervuras
As suas nebulosidades
As suas algas
Nereidazinhas verdes, às vezes amarelas
Mas por favor
Não pensem que estou pretendendo falar
Em bandeiras
Isso não”

Influenciada por Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, Pagu começa a se tornar o baluarte da 2ª fase do movimento modernista. No entanto, com a crise capitalista de 29, a filosofia política começa a se tornar alguma coisa a se levada em consideração. Pagu torna-se o exemplo da mulher “moderna”, engajada no movimento proletário e antropofágico, considerar Pagu como uma precursora das mulheres brasileiras de hoje, não é, nem de longe, equivocado. Sua influência, que se estende até hoje, não foi tanto por suas obras que, em sua maioria, artigos (tal qual esse) publicados em jornais e periódicos políticos, não podem traduzir tudo o que sua existência pode proporcionar. Sua “marca” foi a de ter tido e sido o espírito livre que orientou e determinou os caminhos que, até então, poucas mulheres se aventuraram em traçar.

“Gosto de bandeiras alastradas ao vento
Bandeiras de navio
As ruas são as mesmas.
O asfalto com os mesmos buracos,
Os inferninhos acesos,
O que está acontecendo?
É verdade que está ventando noroeste,
Há garotos nos bares
Há, não sei mais o que há.
Digamos que seja a lua nova
Que seja esta plantinha voacejando na minha frente.
Lembranças dos meus amigos que morreram
Lembranças de todas as coisas ocorridas
Há coisas no ar…
Digamos que seja a lua nova
Iluminando o canal
Seria verde se fosse o caso
Mas estão mortas todas as esperanças
Sou um canal.”

Para saber mais sobre nossa musa antropofágica, acesse o site!

Os trechos da poesia foram extraídos do poema Canal, de autoria de Patrícia Rehder Galvão.

Para saber quem mais escreveu sobre A valorização da mulher brasileira, continue lendo… Leia o resto deste post »





Napoleão e o pão frânces

14 10 2005

Voltando às postagens normais do blog, vamos tratar hoje de mais história, e vamos muda-la um pouco…
E se Napoleão tivesse dado prioridade em arrebatar o Brasil dos portugueses ao invés de ter se metido na Rússia? Talvez estivéssemos cantando a Marsellhesa hoje? Ou talvez o pão frânces fosse a bandeira nacional, já que em matéria de pão ele é o mais conhecido… Ou o Carrefour com aquele símbolo maldito fosse o que o Pão-de-açucar é hoje em matéria de supermercado… Ou quem sabe ele abrisse uma filial da Sorbonne aqui, se bem que eu num ia passar no vestibular mesmo, melhor, talvez ele erradicasse essa imbecilidade que é o vestibular… Ou quem sabe desse prioridade ao Brasil e tornasse-nos um potência industrial e talvez eu nem estivesse escrevendo isso aqui hoje porque os franceses são xenofôbicos e não iriam admitir a entrada dos meus antepassados que são, árabes… Infelizmente os árabes não são bem-quistos em lugar nenhum imagina por uma nação franco-brasileira onde os governantes seriam putas, bebâdos, corruptos, bom, nesse quesito não mudaria muito…








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.