Gustav Klimt

22 03 2008

Gustav Klint não era um pintor do surrealismo. Mas merece ter um breve comentário aqui no Surrealismo do Acaso. Por que então esse maluco vai escrever sobre ele, você se pergunta. Porque esse autor que vos escreve está de mudança para Curitiba, terra natal de Ewaldo Luiz M. Mehl, alguém que nasceu dia 29 de fevereiro de 1956 e tem muito poucos anos de vida… Ou seja, a casa está bagunçada e estou com pouquíssimoGustav Klimt - Danae tempo para escrever.

Klimt era um sujeito que adorava usar uma túnica, que nasceu e viveu durante a monarquia austro-húngara dos Habsburgos (wow), ou seja, Viena dos séculos XIX e XX. Sua arte foi bem peculiar, Klimt retratou o nú de forma a demonstrar mais do que simplesmente o corpo da mulher ou seu sexo, a paixão e o amor são sentidos na ponta da língua quando se vislumbra uma de suas pinturas. Também fica claro que sua adoração pelas mulheres ruivas deixou marcas através do tempo…

Seria errôneo resumir seu trabalho em acadêmico ou clássico, sua pintura transcendeu esse tipo de classificação. Um simples retrato de uma aristocrata vienense qualquer, saía algo como o retrato de Adele Bloch-Bauer I, ou seja, o cara foi um gênio com G maiúsculo!Gustav Kilmt - Adele Bloch-Bauer I

Deve ser uma coisa muito maneira ser retratado dessa forma… No entanto, o desenho de Klint parece ser algo incomparável, as formas, as linhas, a palidez são características muito marcantes em seus quadros.

No mais, Klimt é algo bom para os olhos e ruim para o bolso, suas obras são avaliadas em milhões de unidades monetárias, porém, caso sua fome pela arte seja implacável, grande parte de seus quadros, incluindo a Adele aí ao lado, pode ser vista nos diversos museus de Viena, ou seja, seu bolso te agradecerá!?!





Briguemos, pois!

23 01 2008

Parece que “discutir a relação” faz bem à saúde. Quantos mais os casais brigam, maior sua expectativa de vida e portanto, maior o valor da contribuição do INSS e mais cara a prestação do plano de saúde dos velhinhos briguentos. A justificativa é que quanto mais rancor você guarda, mais chances tem de sofrer um ataque ou qualquer outra coisa ligada ao nervosismo. Trate de largar esse livro de auto-ajuda agora mesmo e vá brigar com sua(eu) namorado(a) que você ganha mais! Oscar Niemeyer deve ter brigado muito e com a família inteira pra ter chego aos 230 anos do jeito que chegou! A idéia é a seguinte, planeje seu dia, há casais que fazem sexo todo dia antes de se levantar, você, que é mais esperto, planejará diferente: uma briguinha antes do almoço, uma no jantar e outra antes de dormir! É óbvio que os casais jovens devem aumentar essa proporção e os mais velhos diminuí-las, o importante é: não deixe de discutir!.

Fonte: Terra Notícias





Carnaval 2008

21 01 2008

Diferentemente do ano passado, o Carnaval desse ano começa não-oficialmente dia 4 de fevereiro. Cada ano resolvem colocar o carnaval numa data esquisita… Daqui a pouco vão colocar o Carnaval dia 07 de setembro, porque, afinal de contas, nossa independência e o carnaval são quase a mesma coisa. O certo é que foi no carnaval que as melhores noites (dias também vá) de minha vida foram passadas. Fosse no camping de Ipaussu (lugar que, apesar dos meus amigos não mais gostarem de ir, recomendo) fosse em alguma praia (e aqui leia-se Balneário Camboriú).
Pra falar a verdade, vou usar esse post pra falar um pouco mais do campign de Ipa! Foi lá que, inclusive, tive a idéia de criar esse blog, alguns anos atrás. A profusão de idéias que se tem numa noite regada a bebidas e amigos ultrapassou os limites da minha cabeça e veio parar aqui. Tudo começou com a história dos Aztecas. Eu tinha dito que eles não conheciam cavalos, motivo pelo qual os espanhóis, com aqueles puta cavalos, derrisavam as batalhas. Então, Berga, o garoto que vai se casar dia 26/01/08, disse que os Aztecas sabiam sim que os cavalos existiam, só que achavam que cavalo era apenas utilizado na produção de mortadela. Eu, imediatamente, imaginei inúmeras fileiras de soldados espanhóis montados em mortadelas gigantes soltando poeira sobre as matas da recém-descoberta América (pra quem quiser ler, é só clicar).
Como vários amigos podem atestar, o camping ipaussuense é lugar afrodisíaco. Não posso citar nomes, mas todo mundo, se não se apaixona, ao menos faz alguma coisa diferente. O rio Paranapanema, com certeza vai ficar em frente a sua barraca, então, antes de nadar, aproveite o local. Há uma muralha e um chão cheio de pedras numa das partes, vá lá, retire algumas pedras do chão e as atires na água pra fazer quicar. É uma das melhores coisas dessa vida… À noite, opta-se pela música em várias barracas ou, se não choever, pelo show marcado pela administração do município. Música não vai faltar, garanto. Reserve uma noite para ficar sozinho com sua(seu) guri(a), andem pelo lugar, sente-se pelo lugar, há inúmeros banquinhos por lá, aproveitem, quem sabe não tem a mesma “sorte” que eu de assistir, de camarote e às gargalhadas com uma garota indescritível, um contribuinte do Imposto de Renda, lá longe na prainha, abaixar suas calças, satisfazer suas necessidades biológicas urgentes e limpar-se com areia…
O mais importante, penso que pra quem quer fugir do carnaval tradicional de avenidas, fantasias e marchinhas, o ideal é o camping, claro que há alguns malucos que se vestem de mulher e saem farrear a noite, mas a participação é facultativa e o som, fica a cargo do aparelho de cada um, ou seja, ouve-se o que quiser. De verdade, recomendo mesmo!





Alagoas

20 11 2007

-Alô!
-Sou fã do SBT!!!
-Parabéns, você acaba de ganhar R$ 100,00
(inicia a brincadeira, a pessoa tem falar uma palavra com a letra que o apresentador pede)
-Vamos lá, eu preciso de um utensílio feminino iniciado com a letra “A”! Você tem cinco segundos.
-Ai meu deus, hummm, deixa eu pensar, hummmmm! Ai ai ai, Ahhhhhh! ALFACE!
-Meninas, temos alface?

FANTASIA (Será Silvio Santos, um gênio?)

2 coisas que eu odeio e 1 que eu adoro

Eu odeio acordar cedo, eu odeio dormir cedo, eu adoro quando, apesar de acordar cedo, a manhã está com temperatura amena!
Eu odeio hipocrisia, eu odeio certos tipos de médicos, eu adoro vinho!
Eu odeio (muito) concursos públicos, eu odeio estudar, eu adoro ler!
Eu odeio auto-ajuda, eu odeio quem diz que a auto-ajuda perdoa quem odeia a auto-ajuda, eu adoro café!
Eu odeio quem cuida da nossa vida, eu odeio quem faz coisas que a gente não pede (porque NUNCA é pra fazer alguma coisa boa), eu adoro sashimi!
Eu odeio moda, eu odeio dogmas, eu adoro sentar num barzinho entupido de gente, tomar cerveja e jogar conversa fora.
Eu odeio barezinhos minúsculos com música ultra-alta, onde a única voz que se ouve, sacrificiosamente, é a do cantor, eu odeio o neo-sertanejo hodierno, eu adoro as músicas do Teodoro e Sampaio.





Unsex-symbol

2 11 2005

Hoje vou me dedicar a contar a estória de um garoto, muito interessante (a estória ou o garoto?)…

Bom a parte interessante começa quando ele tem 19 anos, começa a fazer faculdade de administração numa instituição paga porém de renome… Começou portanto, a ler muito, não só livros ligados à administração, começou ler filosofia, sociologia, e o pior de tudo foi que começou a gostar de tão inusitados temas… Começou a ler muito, se interessava pelo assunto. Era um garoto tímido, não fazia amizades facilmente como os outros, porém conseguia se virar bem. O problema era com as mulheres, era um romântico nato, quase Shakespiriano, mas, de maneira nenhuma conseguia passar isso pras mulheres, tentava falar mas parecia haver um escudo invisível que não soltava sua voz, se soltava era pra dizer ou fazer alguma besteira o que acabva por derreter suas chances. Se sentia, ou mesmo, era um, ou era e se sentia um sex symbol ao contrário, a referência ao contrário do que uma mulher poder querer pra se apaixonar, resumindo, era inteligente, questinador, nem bonito, nem feio, gostava de ler acima de qualquer coisa, não usava gel no cabelo, era carinhoso quando saía com alguém, muito carinhoso diga-se de passagem, dizia sempre que nunca iria se casar no religioso nem no cível, gostava muito de música antiga, odiava as músicas contemporâneas acima de tudo o funk, o pagode, e coisas do genêro, suas roupas eram meio largas nem tão pouco eram de marca apesar de ele possuir dinheiro para tanto, usava óculos, gostava muito de beber, muito, fumava, adorava fazer as pessoas rir, nunca malhara na vida nem pretendia faze-lo, num era gordo, mas também não era magro, finalizando, um unsex-symbol… A única coisa que ele fazia, e achava que ajudava, era usar perfumes, bons perfumes, considerava.
O que tem de surreal de tudo isso? Talvez o jeito desse cara, do jeito que ele me relatou, é claro, só estou escrevendo o que eu ouvi, ao meu ver, é a melhor pessoa pra alguém, e talvez ele nunca tenha ninguém!!!
Ufa








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.